segunda-feira, 4 de agosto de 2008

No centro... na pista

Belo Horizonte, 04 de agosto de 2008

Oi amigo, como vai?

Tem coisas que acredito que só aconteçam comigo.

Sexta à noite. Praça Sete de Setembro, bem no centro de BH. Você conhece, não é? Estava lá, esperando o Foxx (quero que um dia vocês se conheçam). Tínhamos combinado de nos ver naquele dia, depois do trabalho.

Depois de receber um jornal da Igreja Universal e um panfleto me convidando a participar da Terapia do Amor, parei em um ponto da praça, observando a multidão e esperando a chegada de meu amigo.

- Boa noite, amigo. Não quero te incomodar... Eu moro ali, perto do Bingo, já te vi algumas vezes aqui na rua... – me assustei com a abordagem, o rapaz estava bem próximo a mim, e ele continuou – ganhei um pedaço de carne, mas preciso de sal. Se demorar muito a carne vai estragar. Você não tem alguma coisa pra me dar?

Eu pus as mãos no bolso, tentando encontrar alguma moeda. Seu hálito cheirava cachaça, mas, se tivesse algum trocado, daria a ele. Não custava nada confiar na história da carne que poderia estragar, e não pensar que ele compraria bebida com as moedas que lhe desse. Chequei os bolsos e vi que não tinha nenhuma moeda.

- Hum... vou ficar te devendo hoje. Eu estou sem nada – disse

Ele parou. Olhou pra mim... E olhou mais...

- Não tem problema. A sua simpatia já valeu a pena.­

Sorri, sem graça.

Ele deu uma volta e se aproximou novamente: “E aí? O que você manda?” Demorei um tempo pra raciocinar. Aquela região da praça é conhecida por, algumas vezes, ser ponto de venda de drogas e mercadorias roubadas. Acreditando que ele se referia a ‘o que eu tenho pra vender?’, respondi que estava esperando o meu amigo.

­-Tá esperando meu amigo? ­ - perguntou

- Não! Tô esperando o MEU amigo! – respondi e sorri.

­- O dia que você não estiver esperando ninguém, eu tô aqui - disse, dando uma piscadela e se afastando.

Eu me assustei. Realmente não esperava aquela cantada. Depois de tentar descolar algum dinheiro com outras pessoas, ele passou em minha frente, e ganhei outra piscadinha.

­- Então, já te disse que tinha te visto várias vezes pela rua e é a primeira vez que a gente conversa. Te contei q moro na rua, e a gente passa muita dificuldade. O dia que você olhar no seu guarda-roupa e vir um agasalho sobrando, você poderia trazê-lo pra mim. Você me ajuda e eu te ajudo. Se um dia alguém mexer com você por aqui, pode me chamar.

Numa altura dessas, eu nem mesmo reagia. Surpreso com a proximidade que ele mantinha para conversar comigo. Mais surpreso ainda por sua coragem de falar aquilo tudo, ali, no meio da rua, pra uma pessoa que ele nunca tinha visto antes . Ele só deu tempo de eu dizer que sim, que quando tivesse um agasalho sobrando mandaria pra ele, para poder completar:

- Quando você não estiver esperando ninguém, eu tô na pista...

Sorri novamente, ainda mais sem graça, mal sabendo que daqui a poucos segundos ele me deixaria com ainda mais vergonha, quando dissesse e me direcionasse outra piscada de olho:

-Seu sorriso é lindo! ­

Saiu. Na volta do passeio com o Foxx, cruzamos com o rapaz pela rua. Ele olhou pra mim e disse “Olha ele aí”.

Não sei se é pior ser cantado por um mendigo, ou se é pior eu ter pensado que, “se ele estivesse limpinho, eu daria uma chance”. Ele era bonitinho... Se ele estivesse limpinho, eu pegava. Se ele estivesse limpinho, eu seria só mais uma pessoa parada em plena Praça Sete, esperando alguém.

Tenho mais coisas pra contar, mas deixo pra próxima carta.

Até...

15 comentários:

FOXX disse...

hauahauahuahauahau
só da pra rir mesmo
kkkkkkkkk

Leo disse...

É... é bizarro pensar como podemos nos afastar das pessoas pela aparência. "Se ele estivesse limpinho..."
Bem estranho pensar nisso.
Mas ele não estava né? E não estou falando só de aparência. Sabe-se lá tudo o que ele já viveu.
Eu não teria escutado isso tudo. Teria ficado meio apavorado e mudado de lugar... rs
abs

Luan disse...

eu consigo dar confiança assim tbem... facil facil.

Rhenan disse...

Nossa, é cada coisa que acontece. Não sei como reagiria numa situação dessas.

Abração.

Rhenan
www.sexpride.blogspot.com

Tarco Rosa disse...

No fim de tudo, o que nos resta são as carências e os desejos...
Um grande abraço

bily disse...

cara!
HAEIUOHEAIOUEAHOAIEUHAEOIUAEHUIAEHAEIUOHAEIOUAEHOIAEUH
VOU RIR PRA SEMPRE E ETERNAMENTE!

XD
adorei!
a única coisa q aconteceu, parecida comigo, foi um bêbado, num bar q eu ia com uns amigos meus (mais da metade hétero)...

tem coisas que só vendo pra crer!
:P

AVESSOS disse...

rsrssrssrsr, nem tudo é perfeito, ai quero um mendigo desses pra mim rsrsrssr. abracos

Daniel disse...

Oi tudo bem?
Apenas para dar um 'oi'.
Uma otima semana e beijo de Londres.
Daniel
www.sembolso.blogspot.com

Deo Guerra disse...

REALMENTE UM JEITO ORIGINAL DE ESCREVER TUDO COMO SE FOSSE CARTA ... MUITO BOM!!!!!!!!!!!!!

Calvin disse...

ah! que escrita cativante!
mas vc poderia explorar mais a parte que descreve suas sensações mais viscerais x fascinadas towards the beggar!

Abraços
Calvin
(em uma aparição rara pela net)

Lucas disse...

Nossa Theo, que sucesso hein? Rs... Eu acho que ficaria tão assustado com a situação que fecharia a cara na hora!

Abração,
Lucas.

Beto disse...

nossa que blog legal! depois eu venho aqui com mais calma ... depois vc passa no nosso blog pra tomar um cafezinho !!! rsrs! abraço!

Rajeik - Rebelde disse...

Attchin!!!

Tah cheio de poeira isso aqui heinm?!

[Até parece né?!! =P]

atualiza amigo!!!

Abração!

Vanderson disse...

kkkkkkkkkkkkk!!!
fiquei "chocado" com essa história!!e eu já passei por algumas nesse "nipe" aí viu...
complicado...
hehheheh!!!

gee disse...

se fosse cmg levava pra casa e dava um banho uahuahauahauhauaahuha!!!!
vlw \o/