segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Sobre pessoas - parte 1

Querido Matthew,

Eu gosto bastante de você. Eu sei que você está num relacionamento com alguém agora e eu respeito isso. Mas eu queria que você soubesse que, se estiver sozinho futuramente, e quiser vir me visitar, eu estaria disponível pra passar um tempo com você e descobrir qual era a sua idade quando você escreveu a sua primeira canção.

Assim como eu não quero que pareça que eu sou presidente do maior fã-clube da Alanis Morissette, acho que o tema “Rafael” já deve ter te cansado! Aliás, tinha prometido pra que tentaria parar de falar sobre isso. Mas, na primeira parte da música, só consegui me lembrar dele... Então vou contar a história.

O Rafael foi a coisa, fisicamente, mais intensa que já vivi até hoje. E, mais adiante você vai entender o porquê do ‘fisicamente’.

É difícil não pensar nele. É difícil deixar de gostar dele, mas é, hoje, um dos meus objetivos. Quer dizer, não quero me esquecer dele (ele foi importante demais para isso), mas quero, pelo menos, ter tranquilidade o bastante para poder pensar nele e me lembrar de uma coisa boa. Não de uma saudade, uma dor...

Ao mesmo tempo em que eu quero, eu prefiro não saber sobre seu relacionamento. Sobre como anda a vida e um namoro de um cara que, até então, dizia-se “não namorável”. Isso só me causaria mais dor.

O pior de tudo é que, ele, é minha última lembrança do mais perto que eu já cheguei, até hoje, do que se pode chamar de relacionamento.

Analisando, agora, acho que não daríamos mesmo certo. Somos muito diferentes e isso é um fator agravante em qualquer relação. Hoje, acho que foi melhor ter sofrido tudo de uma vez, mas, de alguma forma, ter perdido o encanto.

Não consegui apagar o Rafael da memória... Nem quero conseguir.

O que quero é olhar pra trás, me lembrar de um passado feliz. De uma pessoa que me fez feliz por um tempo determinado.

Foi um ciclo. As coisas começam e terminam. Não sei se meu ciclo com o Rafa já terminou. Não quero que ele saia de vez da minha vida. Mas espero, ansiosamente, pelas mudanças que, eu sei, um dia virão. Um dia em que, caso ele estiver sozinho futuramente, e quiser vir me visitar, eu estaria disponível pra passar um tempo com ele. Tempo em que nós sentaríamos, conversaríamos, daríamos risada e, na despedida, ele me deixaria inteiro. Sem a sensação de que me falta um pedaço.

Um dia, quem sabe?

Até a segunda parte.

8 comentários:

Paula disse...

Ai...

Já passei por isso. E, como dói.

Beijo

Caco disse...

Quando aparecer outro, você não vai pensar tanto nele. É assim; a gente substitui paixões.

Marcelo R. Rezende disse...

Olha, nunca que a pessoa que a gente amou sai no nosso pensamento e coração. Acho que porque a gente nunca deixa de amar, a gente só atenua pra dar espaço a um outro alguém, uma outra forma de viver.

Arsênico disse...

Todo amor é inesquecível... e não é clichê ou frasesinha de efeito bonitinho não... é verdade!

Toda pessoa que você já amou... se encontrá-la 10 anos depois... seu coração irá acelerar... e se ele pedir pra voltar você dirá sim!!! Mistérios do coração!

Espero que você consiga lembrar-se dele sem sofrer!!!

***

umBeijo!


;-)

FOXX disse...

1) vc nunca teve nada comparável com um relacionamento com ele, ok? vc está se iludindo...


2) vc não esquece o Rafael pelo simples fato q vc não viveu nada depois q ele resolveu sair de sua vida, ou estou errado?

Renato Orlandi disse...

Que fofo, acho que todos temos algum Rafael, para esquecer sem se esquecer rs, tentar se lembrar da parte boa, sem sofrer, tentar desligar a dor e o sentimento ruim para tentar vivenciar ou se lembrar apenas das partes boas, é um exercício muito difícil da vida adulta... Espero que consiga, para mim a distância ajuda a fazê-lo, mas é como disse, as vezes dá vontade de passar um tempo juntos...


"É difícil não pensar nele. É difícil deixar de gostar dele, mas é, hoje, um dos meus objetivos. Quer dizer, não quero me esquecer dele (ele foi importante demais para isso), mas quero, pelo menos, ter tranquilidade o bastante para poder pensar nele e me lembrar de uma coisa boa. Não de uma saudade, uma dor..."

FOI PERFEITO.

Bjaoo!

Antonio de Castro disse...

já viu (500) dias com ela?

então, me lembrou esse filme

me lembrou tb um texto q eu postei.
http://lostcausediario.blogspot.com/2010/07/boomerang.html

tô parecendo mt presunçoso, me citando?

Kivia Nascentes disse...

Ah, eu acredito profundamente que no dia em que ele vir a te procurar, e você agora, que anseia tanto por esta visita, já não ansiará tanto assim. As coisas mudam mais rápido que a gente pensa. Num momento, todo seu pensamento vai estar diferente e você nem vai se dar conta disso. Leve e pleno, e o melhor, livre.

torço por você; não te conheço mas torço. Porque sei como é.